São Francisco de Assis, um projeto de vida

É POSSÍVEL REVIVER A AVENTURA FRANCISCANA?

São Francisco de Assis, celebrado neste dia 04, é lembrado como homem da paz, da reconciliação e da fraternidade. Ele viveu uma experiência espiritual única e a fez de maneira radical, completa e integrada. Então, vieram os companheiros, juntos e cada um à sua maneira, viveram uma aventura comum. Semelhante a primavera, com suas cores, texturas e perfumes, este movimento trouxe impulso de juventude e esperança ao mundo ferido e divido pela sede de poder e dominação, característicos da Idade Média.

O projeto de Francisco de Assis

Leão, Rufino, Ângelo, Bernardo, Pedro, Clara, Antônio, alguns jovens de Assis, na Itália, e alguns adultos como Jacobba, Luquésio, Buonadona, atraídos por seu exemplo, decidiram unir-se a ele no seguimento a Jesus Cristo, assim como o tinha descoberto na Igrejinha de São Damião: pobre, humilde, crucificado e misericordioso. Deram vida a uma família que tinha descoberto no Evangelho “sem glosas ou interpretações” a sua Forma de Vida: o Movimento dos Penitentes de Assis, ou simplesmente “Franciscanos”, na vivência de um caminho espiritual que sempre se renova. Hoje, resultam no grupo eclesial mais difundido e capilar da Igreja Católica. Composto de cerca de 32 mil frades conventuais, menores, capuchinhos e terceiros regulares; 13 mil irmãs clarissas; 400 mil leigos, entre jovens e adultos, da Ordem Franciscana Secular e da Juventude Franciscana (Jufra). A estes se acrescentam numerosas outras congregações, comunidades e institutos seculares, femininos e masculinos, de inspiração franciscana, ambos com a vocação de, como Francisco e Clara, serem “construtores de fraternidade” no século 21.

Reunidos entorno da “mesa do Senhor”

A característica fundante e carismática do movimento franciscano é a pobreza de Cristo, que não pode ser confundida com ausência total de recursos e acesso às necessidades básicas para uma vida digna e saudável, gerada pela desigualdade social. A pobreza franciscana, que é seguimento radical ao Evangelho, é doação total. Significa não se apropriar das coisas, das pessoas, das situações que a vida nos oferece. É livre partilha dos dons, colocados a mesa. É unidade na diversidade, no Deus que é trindade, fraternidade comunicada no amor do Pai, realizado pelo Espírito que dá vida e força, doada para salvação do mundo, na inauguração do Reino de Deus por Jesus Cristo. Francisco de Assis, apaixonado pelo Deus Encarnado que se faz nosso irmão para nos conduzir a verdadeira felicidade que só é possível na entrega que é serviço, compreende que viver é ser servo com amor e fidelidade. É viver o verdadeiro mandamento do Senhor: “Amai-vos uns aos outros como eu vos tenho amado” (Jo 13, 34).

Ser franciscano hoje: aventurar-se no Evangelho da Minoridade e da Itinerância

Diante de tudo isso, podemos retornar ao questionamento inicial: é possível reviver a aventura franciscana, hoje, aqui em Rondonópolis? Para responder esta pergunta, aparentemente romântica e autoreferencialista, precisamos nos lembrar que Francisco não viveu uma vida voltada para si, romanceada como um “conto de fadas”. Ele viveu a realidade dura dos leprosos, excluídos e abandonados; reconstruiu igrejas com o trabalho de suas mãos; despiu-se dos bens para viver a transparência do Cristo nu; foi obediente a hierarquia da Igreja sem jamais abandonar seu ideal; fez comunidade, sendo irmão e menor; foi até aqueles tinham uma fé diferente da dele para pedir paz; reconciliou-se com a criação e convidou a todos para louvar a obra das mãos de Deus; sofreu as dores

da cruz e acolheu a morte como irmã. Reviver hoje a aventura franciscana não é senão acolher o apelo de fé do Evangelho. É abrir-se ao mistério de Deus que vem ao encontro de nossas misérias e sofrimentos para nos reconduzir a vida plena. Para isso é preciso duas coisas: sermos “menores” como as crianças, e “itinerantes” caminhando sempre, para construir o Reino de Deus que é paz, reconciliação e fraternidade. São Francisco de Assis: roga por nós para que possamos nos aventurar como Tu, no Evangelho da Vida!

Vinícius Fabreau
Aspirante da Custódia

Outras Postagens

Início