A inefabilidade do sacro: um frade brasileiro na Bienal de Veneza

Pela primeira vez na história da Bienal, um frade é convidado a participar da mostra. No Pavilhão da cidade de Veneza, Fr. Sidival Fila expõe “Gólgota”, uma síntese narrativa do mistério pascal


Cidade do Vaticano – Quando a religião encontra a arte o resultado é visível em milhares de obras-primas mundo afora: a arte sacra é um patrimônio da humanidade.

Mas um religioso, neste caso um frade franciscano, que é convidado para expor na Bienal de Veneza é algo inédito e a edição 2019 traz esta peculiaridade: o brasileiro Fr. Sidival Fila apresenta “Gólgota”, uma síntese narrativa do mistério pascal.

Trabalhada em tecido antigo – que é a sua característica, – a obra é composta por oito elementos, sendo o elemento central um crucifixo “fortemente figurativo e representativo”, sem necessariamente referências ligadas à liturgia.

“A minha ideia é representar um evento histórico, no qual Jesus – ‘homem-Deus’ – foi crucificado. De um lado tem essa imagem figurada, o resto é completamente abstração, para dar espaço a uma espiritualidade que não seja explícita, mas implícita.”

“Gólgota” está exposta no Pavilhão da cidade de Veneza da Bienal e pode ser admirada até 24 de novembro.

No coração de Roma

A exposição na Bienal é apenas uma etapa de uma longa e bem-sucedida carreira internacional.

Fr. Sidigal é natural de Arapongas, no norte do Paraná, onde desde a adolescência manifestou interesse pelas artes plásticas. Em 1985 se transferiu para a Itália, para aprofundar o estudo da pintura e da escultura. Depois por cerca de cinco anos, sentiu a vocação à vida religiosa e abandonou todos seus projetos pessoais para ingressar na Ordem dos Frades Menores de São Francisco de Assis.

Por quase dezoito anos não se dedicou à arte. Em 1999, foi ordenado sacerdote em Roma, onde exerceu o seu ministério no hospital e na prisão, entre outros lugares. Gradualmente, através de pequenos trabalhos de restauração, se reaproximou ao mundo da arte. Em 2006, começou a pintar aprimorando um estilo pessoal sob o influxo da “Action Painting”, da arte informal europeia e do espacialismo.

Museus Vaticanos

O frade paranaense cria obras de grande intensidade e rigor formal, todas realizadas graças à recuperação de materiais pobres ou obsoletos: papel, madeira, tecidos antigos, diversos metais, gesso. Desde então, em seu currículo constam exposições em inúmeras cidades dentro e fora da Europa.

Em 2010, foi convidado a participar com uma obra na exposição em homenagem ao Papa Bento XVI por ocasião do sexagésimo do seu sacerdócio, junto a importantes arquitetos internacionais, entre os quais Oscar Nieymaier, Calatrava, Portuguese, Mario Bota e Renzo Piano, compositores como Moricone e artistas plásticos El Anatsui, Jannis Kounelis, Agostino Bonaluni e outros. Sua obra está presente também na coleção de arte contemporânea dos Museus Vaticanos.

Seu ateliê fica no Convento São Boaventura, no Paladino em Roma, onde reside e é superior e reitor da Igreja.
Fan Page do Frei: https://www.facebook.com/sidivalfila1962/ .

Fonte: vaticannews.va


Conheça mais o Frei Sidival:


Veja mais:

FREI BRASILEIRO EXPÕE OBRAS ABSTRATAS TÊXTEIS EM PARIS



 

Outras Postagens

One thought on “A inefabilidade do sacro: um frade brasileiro na Bienal de Veneza

  1. My wife and i ended up being absolutely relieved when Edward managed to do his inquiry through your ideas he gained when using the weblog. It is now and again perplexing to just possibly be releasing key points which the rest may have been selling. So we acknowledge we need the writer to be grateful to for that. The specific illustrations you have made, the easy blog navigation, the relationships you can give support to foster – it’s got everything superb, and it’s really letting our son in addition to us understand that idea is fun, and that’s especially important. Thank you for all the pieces!

Deixe uma resposta

Início