25º Grito dos/as Excluídos/as: “Este sistema não Vale! Lutamos por justiça, direitos e liberdade”

“Este sistema não Vale! Lutamos por justiça, direitos e liberdade” é o tema da 25º edição do Grito dos/as Excluídos/as, tradicional manifestação popular que acontece todos os anos, no dia 7 de setembro, em diversas cidades do Brasil e da América Latina.

O ano de 2019 tem sido marcado por uma conjuntura muito adversa para os pobres: cerceamento da liberdade, retirada de direitos conquistados, aumento do desemprego, volta da fome e violência contra os menos favorecidos. Assim, o lema desta edição, mais uma vez, alerta para a insustentabilidade deste sistema. O Grito mantém sempre seu objetivo de defender a vida em primeiro lugar, anunciando a esperança de um mundo melhor e promovendo ações de denúncia dos males causados por este modelo econômico.

O principal objetivo do Grito dos Excluídos é denunciar todas as formas de exclusão e as causas profundas que levam o povo a viver em condições de vida precárias. Cada vez mais, as entidades e movimentos de defesa e promoção de direitos vêm investindo na atividade como forma de denunciar o modelo de desenvolvimento e crescimento econômico que resulta em desigualdade social, miséria, violência e devastação ambiental.

Mais do que uma articulação, o Grito é um processo, uma manifestação popular carregada de simbolismo, que integra pessoas, grupos, entidades, igrejas e movimentos sociais comprometidos com as causas dos excluídos. Ele brota do chão, é ecumênico e vivido na prática das lutas populares por direitos.

A proposta não só questiona os padrões de independência do povo brasileiro, mas ajuda na reflexão para um Brasil que se quer cada vez melhor e mais justo para todos os cidadãos e cidadãs. Assim, é um espaço aberto para denúncias sobre as mais variadas formas de exclusão.

Os crimes socioambientais cometidos pelas mineradoras motivaram a escolha do tema deste ano. “Em meio à conjuntura política e econômica do governo e da sociedade, o crime da Vale em Brumadinho teve um peso considerável nessa decisão”, diz nota divulgada pela Pastoral Operária, umas das diversas organizações que coordenam o movimento.

25 anos de história

A proposta do Grito dos Excluídos e Excluídas surgiu em 1994, a partir do processo da 2ª Semana Social Brasileira, da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), cujo tema era Brasil, alternativas e protagonistas, inspirada na Campanha da Fraternidade de 1995, com o lema “A fraternidade e os excluídos”.

Entre as motivações que levaram à escolha do dia 7 de setembro para a realização do Grito estão a de fazer um contraponto ao Grito da Independência. O primeiro Grito dos Excluídos e Excluídas foi realizado em 7 de setembro de 1995, tendo como lema “A vida em primeiro lugar” e ecoou em 170 localidades.

A partir de 1996, o Grito foi assumido pela CNBB que o aprovou em sua Assembleia Geral, como parte do PRNM (Projeto Rumo ao Novo Milênio – doc. 56 nº 129). A cada ano, se efetiva como uma imensa construção coletiva, antes, durante e após o sete de setembro.

Fonte: gritodosexcluidos.com


Carta de Apoio da CNBB:

Apoio ao 25º Grito dos Excluídos
07 de setembro de 2019

Senhores Cardeais, Arce/Bispos, agentes de pastorais, lideranças! O Grito dos/as Excluídos/as do Brasil caminha para o seu 25º ano. Convém ressaltar que ele é fruto da Campanha da Fraternidade de 1995, cujo tema era “Fraternidade e os excluídos” e o lema: Eras tu, Senhor? Ao contemplar as faces da exclusão na sociedade brasileira, setores ligados às Pastorais Sociais da Igreja optaram por estabelecer canais de diálogo permanente com a sociedade promovendo, a cada ano, na semana da Pátria, o Grito dos/as Excluídos/as.

Mesmo dando destaque ao dia 07 de setembro, o Grito dos/as Excluídos/as não quer se limitar a esta data. Vai muito além. Envolve o antes, o durante e o depois. Em preparação ao evento são promovidas rodas de conversa, seminários, fóruns temáticos envolvendo entidades, instituições, movimentos e organizações da sociedade civil fortalecendo as legítimas reivindicações sociais e reforçando a presença solidária da Igreja junto aos mais vulneráveis, sintonizando-a aos seus anseios e possibilitando a construção de uma sociedade mais justa e solidária.

Em 2019 o 25º Grito dos/as Excluídos/as trata do lema “Este sistema não vale! Lutamos por Justiça, Direitos e Liberdade! ”. Os direitos e os avanços democráticos conquistados nas últimas décadas, frutos de mobilizações e lutas, estão ameaçados. O ajuste fiscal, a reforma trabalhista aprovada e, agora, o projeto de Reforma da Previdência, estão retirando direitos dos trabalhadores para favorecer aos interesses do mercado. O próprio sistema democrático está em crise, distante da realidade vivida pela população. O Grito precisa colaborar para gerar processos de conscientização e de mobilização social e de profecia da Igreja em defesa dos mais vulneráveis.

Agradecemos aos senhores pelo apoio recebido ao longo destes anos! Precisamos continuar a gritar pela vida em primeiro lugar. Agora, solicitamos-lhes, mais uma vez, o efetivo apoio ao Grito dos Excluídos 2019! É uma iniciativa que desperta para a solidariedade, para a organização e que renova a esperança dos pobres e os torna sujeitos de uma nova sociedade, sinal do Reino de Deus.

Com estima e consideração,

Dom José Valdeci Santos Mendes
Bispo de Brejo/MA
Presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Sócio Transformadora


Hino do 25º Grito dos Excluídos 2019
 
A vida em primeiro lugar
Lutamos por justiça,
Direitos e liberdade

A vida em primeiro lugar
Este sistema não vale
No campo ou na cidade

Água
(Coro) Pra todos
Comida
(Coro) Pra todos
Moradia
(Coro) Pra todos
A vida
(Coro) Pra todos 

Vamos juntar nosso grito
Do sul ao norte
Vamos juntar nossas mãos, nossas vozes
Cantando bem forte

A vida em primeiro lugar…



 

Outras Postagens

Deixe uma resposta

Início