Parte II – “Prévias sobre a História Fundacional da Custódia: O início da Missão Italiana no Brasil”

II – AS FUNDAÇÕES DOS COMISSARIADOS E OUTRAS ENTIDADES

Comissariado do Maranhão e Grão-Pará

Remete-se aos frades da então Província de Santo Antônio do Brasil, a primeira presença religiosa franciscana nas terras do Maranhão e Grão-Pará, os quais, pelos anos de 1600 a 1615 vagaram por estas regiões devido ao fato de que, na Ilha do Maranhão, sendo em 1612 invadida pelos franceses, junto com os quais chegaram vários capuchinhos para a evangelização, forçou-se a preparação de uma expedição organizada por Jerônimo de Albuquerque, em 1614, para a expulsão dos invasores franceses. Tal expedição contou com a presença de frades da Província de Santo Antônio (frei Cosme de S. Damião e frei Manuel da Piedade), valendo-se mencionar que os mesmos desempenharam considerável lida com os indígenas durante a expedição. Sabendo disso o governo local, percebendo os benefícios que os religiosos podiam trazer para o trato com os povos de seu território, enviou o pedido de mais frades para tal serviço. A Província de Santo Antônio de Portugal, então, enviou 4 religiosos em 1617, dentre eles, a saber: frei Antônio de Merciana, sendo este o comissário e frei Cristóvão de S. José. Nova turma foi enviada em 1624, com mais 10 religiosos de Lisboa e 5 de Olinda. Mesmo a fundação tornando-se autônoma, a Província portuguesa permaneceu enviando missionários, a que logo se constituiu o Comissariado Franciscano da Província de Santo Antônio de Portugal no Maranhão e no Pará. Cria-se então uma nova Província em Portugal, no ano de 1706, a Província da Imaculada Conceição de Portugal e diversos conventos das missões do Maranhão e Pará serão agora regidos por esta instituição. Foi a Província da Imaculada Conceição de Portugal quem, em 1714, fundou o hospício de S. Boaventura junto a Belém do Grão Pará, a sede do segundo comissariado, o Comissariado da Imaculada Conceição de Portugal. Por sua vez, a Província da Piedade de Portugal também enviou os seus missionários e fundou o Comissariado da Província da Piedade de Portugal no Maranhão e Pará, construindo um convento em 1693 em Gurupá, nas margens direitas do rio Amazonas, e um convento em Belém, junto à ermida de São José, em 1695. Mantendo, no séc.XVIII, cerca de 26 missões que, mesmo depois de se tornarem paróquias, tiveram muitos frades como párocos.

Província de Santa Cruz e Província São Francisco de Assis

Chegamos em 1878 e teremos agora a extinção dos três comissariados supracitados e, em 1830, devido à expulsão de religiosos de Portugal, percebemos que não havia mais a quem enviar para o Brasil. No entanto, será em 1870 que encontraremos a presença dos frades italianos que adentraram àquelas terras através da Bolívia. Estes fundaram missões nos rios Negro, Solimões, e afluentes, pelo rio Madeira. Logo depois, os Bispos de Manaus e Petrópolis, por volta de 1899, pediram frades à Província holandesa a fim de auxiliar-lhes na cura das almas, visto que os italianos já não eram suficientes em número (restando apenas 1). Foram mandados, deste modo, 2 irmãos ordenados, frei Adalberto Woolderink e frei Gonzaga Gouverneur, e 1 irmão leigo, Oto Vervoort, em dezembro de 1899, tendo os sacerdotes que retornar um ano depois, permanecendo unicamente frei Oto. Petrópolis receberá, em 1900, 2 sacerdotes, Rogério Burges e Frederico Voorvelt, aos quais se juntou frei Oto. São os fundadores da primeira residência dos frades holandeses em Niterói. Procurando novos locais de evangelização, os holandeses instalaram-se em Belo Horizonte em 1903, e mais tarde, em 1949, formava-se a Província de Santa Cruz. Ainda 1926 já se fizeram presentes no Rio Grande do Sul, iniciando uma nova missão em terras gaúchas. A partir de 1965 a Província do Rio Grande do Sul era desmembrada da Província da Santa Cruz, assumindo o nome de Província São Francisco de Assis, com sede em Porto Alegre.    

Os Frades da Custódia da Terra Santa

Os frades esmoleres da Terra santa estavam também presentes no Brasil desde 1715. Viviam em“hospícios” (casas religiosas de acolhida), sem vínculos com os Superiores Provinciais locais, liderados por um Vice-Comissário da Terra Santa. Fundaram casas em Boa Vista (perto do Recife); Bahia (1733); Rio de Janeiro (1735). Em Minas o vice-comissário próprio em Ouro Preto (1734), com dependências em Mariana, Pirinópolis, Traíras; Sabará (1740), com dependência em Araxá; S. João Del Rei (1743), com dependência em Campanha; Serro Frio (1759), depois mudado para Diamantina. Sob proteção da Coroa Real de Portugal, os varões da Independência acreditaram ser todos os bens do Comissariado serem, por direito, propriedade do governo brasileiro, desse modo, todos os hospícios passaram ao usufruto do  novo governo, permanecendo apenas o do Rio de Janeiro e seu filial em Campos dos Goytacazes. Somente entre 1838 e 1845 é que foi ordenada a restituição dos hospícios, ou, se não fosse possível o valor correspondente, ao Comissariado da Terra Santa no Brasil. Posteriormente, com a diminuição do numero dos frades, os leigos passaram a ser os representantes da Custódia da Terra Santa no Brasil, por vezes administrando mal os bens, eram autorizados a utilizarem o habito franciscano e, consequentemente, em muitos momentos desfavorecendo a credibilidade para o incentivo às doações, quase deixaram esta obra ruir. Em 1880 muda-se a sede do Rio para Petrópolis, em 1897 esta volta novamente ao Rio, para Cascadura e, em 1917, o Ministro Geral entregou o comissariado, que então abrangia todo o território nacional, à Província da Santa Cruz.

Comissariado de Nossa Senhora dos Prazeres, Vice-Província de São Benedito da Amazônia, Província do Santíssimo Nome de Jesus, Vice-Província de Nossa Senhora da Assunção e Fundação de Nossa Senhora de Fátima do Brasil e Fundação Missionária Franciscana de Nossa Senhora das Graças

Os franciscanos no Brasil se distribuem ainda em outras entidades, sendo algumas delas de formação recente. Temos que em 1937 tem início a fundação do Comissariado de Nossa Senhora dos Prazeres, em Mato Grosso, pelos franciscanos da Província de Santa Isabel da Turíngia, que atualmente recebe o nome de Custódia das Sete Alegrias de Nossa Senhora. Esta fundação deu-se devido ao fato de que os frades da província alemã supracitada, por temor e preocupados com a situação da instituição no momento da Segunda Guerra Mundial, marcharam para as terras brasileiras a fim de manter o nome e a herança provincial histórica dos frades alemães vivos, mesmo diante das incertezas provocadas pela Guerra.

A chegada dos frades norte americanos da Província do Sagrado Coração de Jesus, a pedido do Prelado de Santarém deu-se em 1934 a fim de promoverem a evangelização dos povos e comunidades católicas da região amazônica. Atualmente constituem a Custódia de São Benedito da Amazônia. No ano de 1943 chegaram também os frades norte-americanos da Província do Santíssimo Nome de Jesus, a fim de desenvolver as atividades missionárias no centro-oeste brasileiro, estado de Goiás. Atualmente constitui-se na Província do Santíssimo Nome de Jesus.

Contavam-se ainda a Custódia de Nossa Senhora da Assunção, de Bacabal, no Maranhão. As antigas fundações de Nossa Senhora de Fátima do Brasil, com sede em Uberlândia, Minas Gerais, dependente da Província Salernitano-lucana, da Itália, fundada em 1953 e a Fundação Missionária Franciscana de Nossa Senhora das Graças, de Floriano, no Piauí, dos frades italianos da província de Benevento. Estas últimas unidas à Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus de São Paulo e Província Nossa Senhora da Assunção, respectivamente.

Frei Everton Leandro Piotto, OFM 

Outras Postagens

Início