Memória dos confrades fundadores da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus

Alguns nomes perpetuam-se na História por grandes feitos e realizações em favor de alguma boa obra ou conquista em favor próprio ou mesmo de um grupo de pessoas. Mas existem aqueles homens que, diluindo-se no tempo, têm suas vidas misturadas com sua missão e vocação, deixando de ser indivíduos, ímpares, para transformarem-se numa pequenina parte da grandiosa obra que realizaram.

Neste momento nos dedicamos a estes personagens, absorvidos pela sua missão e atuação, que hoje constituem um elenco digno de memória. E digamos memória – “mnemósis” – em seu pleno sentido de ser, onde a viva presença e atuação ainda são constantes, como num “reprise” de filmes clássicos, onde nunca nos cansamos, ou nunca deveríamos nos cansar, de revisitar e nos valermos dos seus ensinamentos.

“Recordar é viver”, já nos diz um velho jargão, mas recordar é também homenagear, aprender a partir deles, repensar nossa própria caminhada a partir dos erros e, acima de tudo, dos belos exemplos que recebemos. Quiçá tenhamos a capacidade de olhar o passado sempre desejosos de repensar nosso presente e esperançosos com nosso futuro. Que Nosso Senhor nos permita crescer em nossa fé a partir destes testemunhos, e que seu trabalho seja frutuoso ainda hoje.

A semente lançada não morreu, deu frutos, e ainda hoje continua a produzir. Este é o elenco dos dez frades escolhidos pela Província Napolitana para iniciarem a fundação brasileira no interior do Estado de São Paulo. Como dito em outros artigos, muitos foram os candidatos, mas estes foram aqueles que Deus nos concedeu para tal empreitada.

Frei Everton Leandro Piotto, OFM


Frei Ângelo Ruggiero, OFM

Era irmão leigo, nasceu em Airiola-It aos 04 de outubro de 1912, na Província de Benevento. Vestiu o hábito franciscano aos 02 de fevereiro de 1940, em Piediminte D’Alife, professando solenemente aos 27 de agosto de 1944, em Airola. Era frade esmoleiro na Itália. No Brasil exercendo funções de cozinheiro (Olímpia), sacristão (Bebedouro), em 1967 atuou no Educandário Santo Antônio (Bebedouro) e a partir de 1974 em Mirassol. Voltou para Itália um mês depois. Atuou 27 anos no Brasil, faleceu aos 17 de agosto de 1993, na Itália. Em seu testemunho simples, deixou-nos o exemplo do serviço e empenho na missão.


Frei Benedito Faticato, OFM

Irmão leigo, professou solene em 1940, na Itália. No Brasil atuou como enfermeiro, cozinheiro, roupeiro do seminário de Bastos e de Mirassol. Em 1968 retornou à Província napolitana, falecendo aos 18 de outubro de 1988, na Itália.


Frei Berardo Paolino, OFM

Diácono permanente, seu nascimento deu-se aos 11 de junho de 1912, em Alvignano-Caserta-It. Filho de Julio Paolino e Maria Luigia De Lillo. Vestiu o hábito franciscano aos 11 de fevereiro de 1939 e professou solene aos 06 de janeiro de 1945. Residiu em Mirassol, Olímpia, Ribeirão Preto, Franca, contribuindo como irmão esmoleiro para edificação de casas e prédios da Custódia. Foi o último frade missionário a falecer, seu óbito se deu aos 10 de setembro de 2014, em Franca-SP.


Frei Eugênio di Rosa, OFM

Irmão ordenado, veio no grupo dos dez primeiros, mas exclaustrou-se para servir no clero secular, morreu aos 24 de novembro de 1991.


Frei Frederico Curatolo (Giusepe), OFM

O saudoso Frei Roque Biscione, ofm dedicou belíssimas palavras num de seus textos escrito em homenagem a este “santo irmão” leigo, que lhe era muito querido e inspirava a todos por meio de seu testemunho de vida e santidade. Nascido em Deliceto-Foggia, aos 04 de fevereiro de 1945, vestiu o hábito franciscano aos 09 de novembro de 1933 e fez sua profissão perpétua em 28 de novembro de 1937. Tendo recebido o acolitato e leitorato aos 17 de maio de 1937, exerceu tal ofício com bastante zelo e empenho. Faleceu aos 02 de junho de 1978, no Brasil, com 63 anos de idade e 45 de Vida Religiosa. Destacou-se por ser muito trabalhador, de notável humildade e hábil para lidar com instalações elétricas, cuidando disso em Mirassol (seminário), Marília (Ginásio São Bento) e Olímpia.


Frei Januário Pinto, OFM

Era irmão ordenado, filho de Gennaro Pinto e Maria Tereza Giansoldati Pinto. Nasceu em Gragnano-Nápolis aos 29 de janeiro de 1920. Sua vestição se deu aos 28 de novembro de 1935, em Roccamonfina e sua profissão perpétua aos 28 de novembro de 1941 em Nápoles-Vómero-It. Ordenado sacerdote aos 08 de agosto de 1943, em Giugliano-Nápoles, foi enviado ao Brasil junto dos outros nove missionários. Desenvolveu sua missão primeiramente em Olímpia, seguindo para Cajobi (1947-1953); Jaboticabal, na catedral e como professor no Seminário Diocesano (1953); professor no Ginásio São José de Bastos (1954); vigário de Bastos (1956); Diretor dos Ginásios de Bastos e Parapuã (1958); delegado provincial e reitor do seminário Seráfico (1963); vigário em Olímpia (1965); primeiro vigário de Ribeirão Preto (1965); reitor do Seminário Seráfico NS Fátima, em Mirassol e vigário em Jací (1969); vigário em Bebedouro (1974); mestre dos estudantes em Petrópolis (1981) e vigário em Olímpia. Voltou em 1984 para Itália, residindo na província de Nápoles. Sua morte se deu aos 16 de maio de 2000.


Frei Giustino Di Giorgio, OFM

Era irmão ordenado, trabalhou em Olímpia, Mirassol, Bebedouro, Bastos, Ribeirão Preto, realizando inúmeros trabalhos. Dedicou-se com afinco às vocações. Foi a seu convite que as Pequenas Missionárias Eucarísticas vieram à Olímpia, naquele momento, para melhor acolhê-las, o mesmo as instalou na casa paroquial e na residência dos frades, mudando-se para uma garagem enquanto se ajustavam os trâmites da chegada das mesmas. Caracterizava-se por ser muito piedoso e empenhado em oferecer seu testemunho pleno de franciscanismo. Nasceu em Torre Anuz-Nápoles aos 26 de abril; sua vestição se deu aos 02 de agosto de 1931, professando solene aos 27 de outubro de 1935 e ordenado aos 09 de julho de 1939. Veio a óbito aos 14 de janeiro de 1983.


Frei Marcelo Manília, OFM

Padre Arturo Manília (ex-frei Marcelo) nasceu em Montesano (Salermo-It) aos 21 de julho de 1917, recebendo o hábito aos 30 de outubro de 1932 e ordenando sacerdote aos 20 de julho de 1941. Trabalhou em Bebedouro como vigário, foi pároco na Igreja Matriz de São João Batista em Bebedouro por mais de dez anos, indo para Buritama logo em seguida. Dedicou-se com afinco na construção do Educandário Santo Antônio de Bebedouro. Em Buritama atuou também na área de promoção social. Exclaustrado foi para São Paulo, acolhido na Paróquia N. Sra. Aparecida, Vila Anglo-Brasileira, sob o arcebispado de Cardeal Agnelo Rossi, onde faleceu.


Frei Leonardo Ferraro, OFM

Frei Leonardo era irmão leigo, nascido em Sant’Angelo D’Alfe, aos 12/02/1913. Seus pais eram Rocco Ferraro e Adolorata Aalella. Vestiu o Hábito aos 08/12/1933, em Piedemonte D’Alfe e ali também fez a profissão solene aos 08/12/1937. Trabalhou como hortelão e sacristão. Também auxiliou muito nos cuidados com os seminaristas. Atuou em Olímpia (1947); Bebedouro (1947-1951); Olímpia (1951-1955); Bebedouro(1955-1957); Bastos( 1957-1958); Bebedouro(1958); Mirassol (1960); e em Bastos(1974) novamente. Depois de 28 anos atuando como missionário no Brasil voltou para a província em 1975, falecendo aos 26 de julho de 2007 na Itália.


Frei Roque Biscione, OFM

Frei Roque Biscione, frade sacerdote italiano, faleceu no dia 12/10/1978. Atuou como conselheiro Provincial na Itália, quando, por recomendação  do superior provincial de Nápoles, junto de mais nove religiosos, veio para o Brasil em Abril de 1947. Foi portanto, um dos 10 pioneiros da fundação franciscana da província do Sagrado Coração de Jesus de Nápoles no Brasil, na diocese de Jabuticabal-SP. Foi o primeiro superior. Foi também o primeiro reitor do Seminário Seráfico Santo Antonio de Bastos e depois transferido para o Seminário Nossa Senhora de Fátima em Mirassol. Foi vigário em Olímpia, logo que chegou ao Brasil; foi vigário da nova paróquia de Franca; voltou a ser vigário em Olímpia, em janeiro de 1978, onde a irmã morte o encontrou no dia de Nossa Senhora Aparecida, logo após a celebração da Santa Missa. Foi Notável como franciscano, como sacerdote, como missionário, e ainda como poeta e escritor.Tinha 63 anos de idade, 48 de franciscano 40 anos de ministério sacerdotal e 31 de trabalho missionário. Foi Sepultada na Igreja Matriz de Nossa Senhora Aparecida de Olímpia. (Fonte: Anuário celebrativo dos 40 anos da Custódia Franciscana do Sagrado Coração de Jesus – 1947-1987)



 

Outras Postagens

Início