Parte II: Antologia Eucarística de São Francisco

Caro(a) irmão(ã), acompanhe conosco todas as terças-feira uma série de publicações, em cinco partes, da “Antologia Eucarística de São Francisco”, acerca dos escritos do santo, onde ele expressa seu amor e cuidado a Cristo Eucarístico. 

 Esperamos que ajude em vosso aprofundamento na Espiritualidade cristã e franciscana.

Tenha uma boa leitura e reflexão.

PAZ e BEM!

Equipe de Comunicação



Acesse à:

 Parte I 



PRIMEIRA CARTA AOS CUSTÓDIOS (1-9)

1A todos os custódios dos irmãos menores aos quais esta carta chegar, o irmão Francisco, vosso servo e pequenino no Senhor Deus, saúda, com os novos sinais do céu e da terra, que são grandes e muito excelentes diante do Senhor, e que muitos religiosos e outros homens julgam sem valia.

2Eu vos rogo, mais encarecidamente do que por mim mesmo, que quando for preciso e julgardes oportuno, humildemente supliqueis aos clérigos, que sobre todas as coisas honrem o santíssimo Corpo e Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo e os escritos em que se encontram os seus santos nomes e suas santas palavras da consagração do seu Corpo. 3Os cálices, os corporais, os ornamentos do altar e tudo quanto pertence ao Sacrifício, tenham como coisas preciosas.

4E se, nalguma parte, o santíssimo Corpo do Senhor estiver com muita pobreza abandonado, que eles, como manda a Igreja, o coloquem em lugar precioso e bem guardado, com grande veneração o trasladem e com discrição o administrem aos outros. 5E também aos escritos com os nomes e palavras do Senhor, onde quer que os encontrem em lugares impróprios, os recolham e coloquem em lugares decentes.

6E em todas as pregações que fazeis, exortai o povo à penitência e lembrai que ninguém se pode salvar sem receber o santíssimo Corpo e Sangue do Senhor (Jo 76, 54). 7E quando o sacerdote sacrifica no altar e leva a qualquer parte o Corpo do Senhor, todos, de joelhos, rendam louvores, glória e honra ao Senhor Deus vivo e verdadeiro. 8sobre o louvor que lhe é devido, anunciai a todas as gentes e pregai que, a toda a hora e quando tocam os sinos, sempre, todo o povo, por toda a terra, preste homenagem e ação de graças ao Deus todo-poderoso.

9E todos os meus irmãos custódios, aos quais chegar este escrito, se o copiarem e o tiverem consigo, e para os irmãos pregadores e guardiães o fizerem copiar, e pregarem até ao fim tudo quanto nele se contém, saibam que têm a bênção do Senhor Deus e de mim. 10 E que eles tenham estas coisas por verdadeira e santa obediência. Amém.

SEGUNDA CARTA AOS CUSTÓDIOS (1-6)

1A todos os custódios dos irmãos menores a quem chegue esta carta, o irmão Francisco, o menor dos servos de Deus, saúda e deseja santa paz no Senhor.

2Sabei que há certas coisas altíssimas e sublimes aos olhos de Deus e que, por vezes, os homens têm por vis e abjetas; 3assim como há outras, estimadas e respeitáveis no conceito dos homens e que para Deus são vilíssimas e desprezíveis.

4Encarecidamente vos rogo, perante Deus nosso Senhor, que deis aos bispos e outros clérigos aquela carta que trata do santíssimo Corpo e Sangue de nosso Senhor, 5e que retenhais na memória as minhas recomendações sobre este assunto.

6Da outra carta que vos envio, para que a entregueis às autoridades, cônsules, juízes e reitores, em que se diz que se proclamem por povos e praças os louvores de Deus, tirai dela muitas cópias 7e, com diligência, as fazei chegar aos destinatários.

CARTA A TODOS OS FIÉIS (1, 1-5; 2, 1-8)

1A todos os que amam o Senhor com todo o coração, com toda a alma, com todo o entendimento, com todas as suas forças (Mt 12, 30), e amam o seu próximo como a si mesmos (Mt 22, 39); 2e aborrecem seus próprios corpos com seus vícios e pecados; 3e recebem o Corpo e o Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo; 4e fazem dignos frutos de penitência; 5Oh! quão felizes e benditos são os homens e mulheres que praticam estas coisas e perseveram nelas!

(…)

1Porém todos aqueles que não vivem em penitência; 2e não recebem o Corpo e o Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo; 3-4e sustentam vícios e pecados; e correm atrás das más concupiscências e maus desejos da sua carne e não guardam o que prometeram ao Senhor; 5e com o seu corpo são escravos do mundo pelos desejos carnais, pelas solicitudes deste século e pelas preocupações desta vida; 6seduzidos pelo diabo, de quem são filhos e cujas obras praticam (Jo 8, 41), todos esses são cegos, 7porque não veem a luz verdadeira, que é nosso Senhor Jesus Cristo. 8Não possuem a sabedoria do espírito, porque não têm em si o Filho de Deus, que é a verdadeira sabedoria do Pai.

CARTA A TODOS OS FIÉIS (1-15; 22-24; 33-35; 63-67)

1A todos os cristãos, religiosos, clérigos e leigos, homens e mulheres, a todos os que habitam pelo mundo além, o irmão Francisco, seu servo e súbdito, envia reverentes saudações, paz verdadeira do céu e caridade sincera no Senhor.

2Como servo de todos, a todos tenho obrigação de servir e ministrar as palavras do meu Senhor, cheias de suave perfume. 3E considerando comigo que, devido às enfermidades e fraqueza do meu corpo, me é impossível visitar pessoalmente a cada um de vós, resolvi comunicar-vos, por meio desta carta e de mensageiros, as palavras de nosso Senhor Jesus Cristo, que é o Verbo do Pai, e as palavras do Espírito Santo, que são espírito e vida (Jo 6, 64).

4O Pai altíssimo, pelo seu arcanjo S. Gabriel, anunciou à santa e gloriosa Virgem Maria (Lc 1, 31), que esse Verbo do mesmo Pai, tão digno, tão santo e glorioso, ia descer do céu, a tomar a carne verdadeira da nossa humana fragilidade em suas entranhas. 5E sendo Ele mais rico do que tudo (2 Cor 8, 9), quis, no entanto, com sua Mãe bem-aventurada, escolher vida de pobreza.

6E ao aproximar-se a sua Paixão, celebrou a Páscoa com seus discípulos, e tomando o pão, deu graças e o abençoou e partiu, dizendo: Tomai e comei, isto é o meu corpo (Mt 26, 26). 7E tomando o cálice, disse: Este é o meu sangue da nova Aliança, que por vós e por muitos vai ser derramado, para remissão dos pecados (Mt 26, 26-28). 8E depois orou ao Pai, dizendo: Pai, se é possível, passe de mim este cálice (Mt 26, 39). 9E sobreveio-lhe um suor como de gotas de sangue, que escorria até ao chão (Lc 22, 44). 10Pôs, todavia, a sua vontade na vontade do Pai, dizendo: Pai, faça-se a tua vontade, não como eu quero, mas como tu queres (Mt 26, 39).

11Ora, a vontade do Pai foi esta: Que seu Filho, bendito e glorioso, que ele nos havia dado e que por nós nascera, se oferecesse, por seu próprio sangue, como sacrifício e hóstia, no altar da cruz; 12não por si mesmo, por quem todas as coisas foram feitas (Jo 1, 3), mas pelos nossos pecados, 13deixando-nos seu exemplo, para seguirmos seus passos (1Pe, 2-21). 14E quer que todos sejamos salvos por ele, e que o recebamos com um coração puro e num corpo casto. 15Todavia, poucos são os que o querem receber e ser salvos por ele, não obstante o seu jugo ser suave e o seu peso leve (Mt 11, 30).

(…)

22 Devemos, além disso, confessar ao sacerdote todos os nossos pecados, e receber de suas mãos o Corpo e Sangue de Nosso Senhor Jesus Cristo. 23Quem não come a sua

carne e não bebe o seu sangue, não pode entrar no reino de Deus (Jo 3, 5). 24Mas coma e beba dignamente, porque quem indignamente o recebe, come e bebe a sua própria condenação, não discernindo o Corpo do Senhor (1Cor 11, 29), isto é, não o distinguindo dos outros alimentos.

(…)

33Devemos ser católicos; frequentar as igrejas e reverenciar os sacerdotes, não tanto por si, se são pecadores, mas pelo ofício que têm de administrar o santíssimo Corpo e Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, que eles sacrificam no altar, e recebem e distribuem aos demais. 34E firmemente nos compenetremos disto: Que ninguém se pode salvar, senão pelo Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo e pelas santas palavras do Senhor, 35que os sacerdotes proclamam, pregam e administram, e só a eles pertence administrar e não aos outros.

(…)

63Mas todos aqueles que não vivem em penitência, e não recebem o Corpo e Sangue de nosso Senhor Jesus Cristo, antes, sim, vivem em vícios e pecados; 64e que correm atrás das más concupiscências e maus desejos e não cumprem o que prometeram; 65e com seu corpo são escravos do mundo e dos desejos carnais e dos cuidados e solicitudes deste século e das preocupações desta vida, 66enganados pelo demónio, de quem são filhos e cujas obras fazem (Jo 8, 41), esses todos são cegos, porque não veem a luz verdadeira que é nosso Senhor Jesus Cristo. 67Não têm sabedoria espiritual, porque não têm em si o Filho de Deus, que é a verdadeira sabedoria do Pai. Deles foi dito: A sua sabedoria foi devorada (Sl 106, 27).

Outras Postagens

Início