Altar não é “picadeiro”!

Não se sei se todos já viram, mas está circulando no WhatsApp e Facebook, o vídeo de uma Padre que dá algumas voltas de bicicleta dentro da Igreja, em meio aos aplausos e sorrisos da assembleia celebrante.

Gostaria, aqui, de chamar a atenção para alguns pontos. Não sei se me entenderão. Pois, estão crescendo as assembleias que estão valorizando e frequentando mais as missas “diferentes”, “espetaculares”, de “cura e libertação” etc, que em nada favorecem um comprometimento cristão autêntico e comunitário, nem os fazem adentrar no mistério pascal de Cristo que a Liturgia nos propõe. Mas, enfim…

Por acaso você já deixou seu filho andar de bicicleta dentro da Igreja? Ou melhor, você já andou de bicicleta, ou patins, ou patinete dentro da Igreja? A não ser o senhor padre, mostrado nesse vídeo, acredito que nenhum de nós tenhamos passeado de bicicleta dentro de alguma Igreja. Nunca fizemos isso, porque nos foi ensinado que, Igreja não é lugar de passeio, não é lugar de diversão e, muito menos, “picadeiro¹”, para nos distrair e provocar risadas.

Você já percebeu que, quando vamos de bicicleta à Igreja, nem mesmo adentramos com ela no espaço sagrado? Ela fica lá fora, num lugar apropriado, ou trancada na grade do portão. Fazemos isso, porque temos respeito com nosso templo e sabemos que ali é um lugar sagrado, “Casa de Oração”. Depois de seu catequisando ou filho ter visto o padre andando de bicicleta dentro da Igreja, o que você dirá a ele quando quiser levar a bicicleta para passear durante a celebração???

Penso que está na hora de pararmos de achar graças e aplaudir padres que dão pirueta, que desce com imagem numa tirolesa montada dentro da Igreja, que faz aspersão com uma arma d’agua de brinquedo, padre que é carregado no alto pelo povo num “Cerco de Jericó”, etc. Acho que esses irmãos confundiram a vocação. Deveriam ser circenses ou qualquer outra coisa, mais não deveriam ser pastores!

-“Ah! Mas a Missa dele é tão legal!”, dirão muitos frequentadores dessas celebrações. Muito bem: “A Missa dele!” Pois Jesus fica escondido! Em vez de as pessoas serem conduzidas para o Cristo, para Deus, para o mistério, são conduzidas para a pessoa do Padre que está ali na frente dando pirueta. Lamentável! O nosso povo precisa de mais orientação e senso crítico….

Do mesmo modo que ensinamos nossos catequisandos e filhos, precisamos também ter a coragem de reeducar muitos de nossos irmãos padres! Dizer a eles que não nos agradamos do modo como conduzem o culto; que não achamos graça de sua “criatividade” nas celebrações. Precisamos, novamente, ensiná-los a terem o mesmo respeito e piedade que temos por nossa Igreja e por nosso Culto.

Enquanto isso, nós que nos preocupamos em preparar bem nossa liturgia, de acordo com a ação ritual, sigamos em frente! Que esses vídeos nos sirvam de exemplo, a fim de não fazermos igual. Continuemos a fazer de nossas Celebrações lugares de Escuta da Palavra, Ceia e Comunhão. Esse é o caminho! Deixemos a pirueta para os palhaços no circo! Quando quisermos rir e ver coisas “diferentes”, vamos ao circo e não à Igreja!

Frei Zilmar Augusto, OFM


Nota:

[1] Picadeiro: Lugar, no circo, onde os artistas exibem seus números.



 

Outras Postagens

Início